sábado, 20 de fevereiro de 2010

E eu te encontrei assim ,por volta das 11 da noite ou da manhã entre um copo de uísque e um trago de cigarro.Você se encaixou perfeitamente em mim como se eu sempre tivesse esperado por aquele momento.Nos completamos entre conversas,músicas,saliva,meias verdades,gemidos e copos de vinho ou alucinações,nos completamos faltando um pedaço e depois de tanta coisa colocada em seu devido lugar de encaixe foi como tirar uma carta da base do castelo feito de baralho,faltava uma peça no quebra-cabeça e nós nunca soubemos qual ou onde acha-la...
(Dine)

5 comentários:

Marcelo Mayer disse...

sempre o cigarro. por isso amo tanto ele

Luiz Gomes disse...

Achei Digno. Mas este dias estou muito técnico - um verdadeiro parnasiano de cinta-liga. Eu agradeceria se você colocasse a vírgula deste modo, veja (e aprenda):
"E eu te encontrei assim, por volta das 11 da noite..."

* A vírgula tem que ficar no final do primeiro período; e não no início do segundo. ^^

Eu sempre broxo quando vejo isso. Não é nada pessoal - é só um detalhe estético (e por que não ético?).

Termino com um verso de um dos escritos gays com Isaque de Moura:

UM PARNASIANO CORTOU MEUS PULSOS.

Beijos, gata.

6son! disse...

com ou sem a virgula o sentimento do breve conto foi forte dine,pelo menos quando eu estava lendo eu vi todoo o cenario.


as esses estilos...essas escolas...não ligue acho que o sentir,esse é o que conta..ele desnomeia tudo.

Ahh...Line. disse...

mew, eu broxo é com essas técnicas desnecessárias...

ele devia ler Alan Ginsberg, ou Jack kerouac...

nunca mais levantaria meu bem...

haushuahsua

beijas querida.

Isaque De Moura. disse...

Eu acho que citar vírgulas ou Ginsberg e Kerouac como exemplos a serem seguidos nem conta. O uivo entrou pela porta e saiu pelo cu: eles acabaram engolindo vírgulas e cagando um ou outro período que soaria bem mais interessantes no caráleo do Sr. Saussure. O texto é comum, porém belo. E agradável. Um abraço, querida Ariadne.