domingo, 20 de setembro de 2009

Reticências

É como se o autor subitamente tivesse parado de escrever a historia e a personagem ficasse ali imovél, se ao menos tivesse ouvido da boca dele "eu não te quero mais" , teria ido embora e lembrado das coisas vividas . Não ,não , isso não aconteceu , mais parecia que um Rubem Fonseca ou Nelson Rodrigues havia morrido ,pairava uma dúvida no ar .E a história ? Não tinha acabado , congelou e não havia explicação para tal fato, as coisas de repente se tornaram estáticas ,nada progredia .E Sofia ficou bem ali , meio que na página 237 sem final feliz ou infeliz , só restava as folhas em branco sem tinta ou palavras .Não podia pegar a caneta e simplesmente começar a escrever ,pois a história de sua vida nem se quer era propriamente sua por assim dizer (de tão dependente e submissa que era), não era dona , era criação .Passaria dias ,meses ou a eternidade esperando o tal cara para continuar do ponto onde parou .Mas poderia reclamar ? Logo ela que antes dos devaneios de um autor nem se quer existia...

(Ariadne)

2 comentários:

Relativizando Absurdos disse...

Isso me lembra de quando eu li o Mundo de Sofia..acho que tem uma ligação né?! Aquele livro me deixou cheia de minhocas na cabeça sobre a questão de existir, ser não ser..nossa fiquei louca, mas amei...


beijinhos

Por Samara Correia

Gomes, Luiz. disse...

A Sofia adora socar minha cara.
E você, como sempre, alimentando meus dias de não-existência.

Lembrou-me, "6 personagens à procura de um autor" de Pirandello. Uma ótima peça. O livro é perfeito, aconselho.

En fim,
Adeus.